Início Bizarro ‘JACK, O ESTRIPADOR’ NUNCA TERIA EXISTIDO!

0 758

jtr

 

Uma péssima notícia para os aficionados por histórias de serial killers. Depois de mais de 125 anos chega ao fim um dos maiores mistérios dos tempos modernos e finalmente foi revelada a verdadeira identidade de Jack, O Estripador. Ou quase!

A conclusão com certeza irá desapontar muita gente e talvez muitos prefiram não acreditar, mas acontece que de acordo com o investigador Trevor Marriott, aquele que teria sido reconhecido como o primeiro serial killer da história nunca teria existido. Dê uma olhada na matéria abaixo.

Jack, O Estripador, Nunca Existiu .

Embora existam mais de cem teorias sobre a identidade do Estripador, a de que ele nunca existiu parece nunca ter ocorrido a ninguém antes de Trevor Marriott, um ex-detetive do esquadrão de homicídios de Bedfordshire.

Marriott passou 11 anos analisando os assassinatos do Estripador e foi mais fundo nos arquivos da Scotland Yard do que qualquer um antes dele. Usando técnicas policiais modernas e análise forense, Marriott afirmou que a razão pela qual existem tantas teorias sobre a identidade do Estripador é porque os fatos do caso foram distorcidos ao longo dos anos.

“O público em geral foi completamente enganado por um grande número de autores e editores. Jack supostamente seria responsável por cinco vítimas, mas houveram outros assassinatos semelhantes antes e depois dos atribuídos a ele, tanto no país como no exterior, como nos Estados Unidos e na Alemanha.”

No total, Marriott estima que havia 17 casos não resolvidos com as mesmas características na Inglaterra, Alemanha e Estados Unidos. Alguns têm especulado que Jack, o Estripador se mudou e continuou a sua onda de crimes, masMarriott sugere que a verdade seja muito mais simples.

“A realidade é que havia apenas uma série de assassinatos não resolvidos que teriam caído no esquecimento há muitos anos atrás, não fosse por um repórter chamado Thomas Bulling.

Bulling era um jornalista (e um bêbado), que tinha várias ligações na Scotland Yard. Em 1888, ele trabalhou para a Agência Central de Notícias de Londres, e foi pago para escrever histórias de crimes para os jornais. Assim, sofrendo por uma história, Bullingenviou uma carta sobre os assassinatos para a polícia. Ele assinouJack, o Estripador.

Foi a mais engenhosa peça de jornalismo que tem mantido este mistério vivo por 125 anos. Mesmo agora, qualquer assassino em série moderno é chamado de ‘Estripador”,

Explicou Marriott que continua:

“Você deve se questionar se Jack não é um mito urbano. Cerca de 80 por cento dos livros sobre ele apresentam a imagem de um cara à frente de sua perseguição pelas ruas de Londres, com uma longa capa preta e uma cartola. Estas eram as roupas de uma classe, homem rico superior. Mas em 1888, se alguém vestido assim realmente andasse em Whitechapel na calada da noite, não teria durado cinco minutos.

“Não era apenas uma das áreas de maior criminalidade de Londres, mas também uma das piores áreas do país. É uma imagem falsa que foi criada pelos cineastas de Hollywood.

“Novos fatos vieram à luz e nós já refutamos a alegação de que o assassino removia os órgãos das vítimas nas cenas dos crimes. Os órgãos foram removidos mais tarde, quando eles estavam em um necrotério.

“Não existe um Jack, O Estripador como tal.”

Dos 17 assassinatos não resolvidos cometidos entre 1863 e 1894, Marriottacredita que um marinheiro mercante alemão chamado Carl Feigenbaum seria o responsável por alguns. Ele era um membro da tripulação a bordo dos navios que, regularmente, ancoravam perto de Whitechapel, e foi executado em Nova Iorque em 1896 depois que foi pego pela polícia fugindo da cena de um assassinato similar.

Então, ele seria a coisa mais próxima de um Jack, o Estripador real, porém não se parece com o qual viemos a apreciar na cultura pop.

Das interpretações bizarras, nós escolhemos acreditar que a versão de Alan Moore … onde Jack, o Estripador, era realmente o médico da rainha Victoria,Sir William Gull e que os assassinatos de Whitechapel eram parte de um ritual oculto maçom para impor a hegemonia masculina no próximo século XX … é próximo o suficiente.

Eu sei que é decepcionante, mas se permitem o trocadilho, a maior de todas as verdades é que a verdade não existe. O que existe são apenas versões e como elas são contadas vai variar de acordo com quem as conta. Acredito que todos concordarão que as últimas visões de Jack, O Estripador que nos têm sido apresentadas, servem ao único propósito de alimentar ainda mais este mito.

Além disso, ainda temos que levar em conta o efeito telefone sem fio. Uma história como essa, contada ao longo de 125 anos, certamente sofreu alterações ao longo dos tempos e dadas as circunstâncias, as alegações de Marriott talvez sejam as mais próximas da realidade e a possibilidade de que Jack nunca tenha realmente existido é muito plausível.

Honestamente, não sei se isso realmente importa hoje em dia, pois o mito já está criado e certamente sempre ficará uma ponta de dúvida. De acordo com a história, se ele existiu ou não só cinco mulheres sabem a verdade, mas infelizmente elas foram silenciadas há mais de 125 anos.

As Vítimas De ‘Jack, O Estripador’

• Mary Ann Nichols, 31 de agosto de 1888
• Annie Chapman, 8 de setembro 1888
• Elizabeth Stride, 30 de setembro de 1888
• Catherine Eddowes, 30 de setembro de 1888*
• Mary Jane Kelly, 09 de novembro de 1888

Comentários